segunda-feira, 30 de junho de 2014

OBSERVATÓRIO

LIGUE 180


LEI MARIA DA PENHA


SP MULHERES


DENGUE TEM QUE ACABAR


EXTREME TOURS APOIA O PROGRAMA MULHERES EM RISCO


SOB O VÉU


LATROCÍNIOS


UN WOMEN

MAPA DA VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER / ONU

A reportagem especial do telejornal Fantástico, da Rede Globo, deste domingo (29) investiga uma violência contra a mulher: por que, em alguns lugares do mundo, as mulheres ainda são tratadas como cidadãs de segunda classe e sofrem todo o tipo de abuso?
O Líbano, por exemplo, uma sociedade moderna convive com costumes medievais. Lá, as mulheres, depois do casamento, passam a ser propriedade dos maridos e podem ser agredidas, presas e até estupradas sem ter a quem recorrer.
Será que voltamos dois mil anos no tempo? Não exatamente. É 2014, estamos no Oriente Médio e muitos homens ainda agem como sultões, em um mundo que eles acreditam que mulheres existem para servi-los.
Segregação, maus tratos, mutilação de órgãos genitais, estupros, tortura dentro de casa, divórcios desejados pelas mulheres, mas dificilmente alcançados e crimes de honra em que o marido assassino sai praticamente impune.
O Fantástico vai mostrar mundos que não mudam. Homens que mandam. E mulheres que não querem mais obedecer.
À primeira vista, pelo menos no primeiro encontro, Beirute, a capital do Líbano, parece um paraíso da modernidade. Para os padrões do Oriente Médio, a noite pegando fogo é muita ousadia.
A primeira vista, a noite de Beirute é muito parecida com a de São Paulo, Rio, Porto Alegre, Belo Horizonte, qualquer grande cidade brasileira. Mas ao entrar na sociedade libanesa, entendendo um pouquinho melhor, percebe-se logo que as mulheres não andam nada satisfeitas.
ONU lista países muçulmanos que mais desrespeitam direitos das mulheres
Um estudo da ONU, de março deste ano, fez um ranking dos países muçulmanos que mais desrespeitam os direitos das mulheres. O Líbano aparece na posição 14 entre 47 países. No Egito, segundo a ONU, mais de 27 milhões de mulheres tiveram os órgãos genitais mutilados. No Iraque, mulheres são vendidas e estupradas.
Naíma Yazbek é brasileira, descendente de libaneses por parte de mãe. Se fosse por parte de pai, teria cidadania e não seria tratada oficialmente como uma prostituta, o que acontece com as estrangeiras que trabalham como dançarinas no Líbano.
“Eu tenho que fazer exame de sangue, porque eu sou dançarina. Meu visto de trabalho aqui é como dançarina”, conta Naíma Yazbek, dançarina.
Fantástico: Mas que exame?
Naíma: Exame de AIDS, e de sífilis. A cada três meses eu tenho que pagar o exame, não pode ser qualquer laboratório, tem que ser o da imigração do Líbano.

A dança do ventre é tradição. Sensualidade permitida nos países árabes. Em sociedades onde a mulher, muito frequentemente, é vista como propriedade dos homens.
“A mulher tem um papel na sociedade. Ou ela é para casar ou ela é para ser, aquela mulher para ser usada”, explica Naíma.
Mulheres libanesas perdem inúmeros direitos após o casamento
Depois do casamento, a mulher libanesa perde inúmeros direitos. É quando alguns homens se sentem poderosos demais.
Fantástico: Te bateu, o que? Deu um soco na cara?
Naíma: Me bateu, deu soco, me empurrou.

Quando Naíma foi até à polícia denunciar o ex-namorado ninguém deu ouvidos.
“Quase riram da minha cara. Eles perguntaram: “você foi estuprada, não! Você foi machucada, não! Então eles: ‘Ah, então você, o que que você tá reclamando?’”, lembra a dançarina.
Leis no Líbano concordam que homem deve ter poderes sobre as mulheres
Os casamentos no Líbano seguem leis religiosas, que não tem nada de parecido com o nosso Código Civil Brasileiro. As leis muçulmanas e cristãs, lá, concordam que o homem deve ter poderes sobre as mulheres.
Dados da ONU mostram que no Iêmen, no Kwait, no Sudão, no Barém, na Argélia e em Marrocos, o marido agredir a própria mulher não é crime. Na Faixa de Gaza, em 2011, 51% das mulheres sofreram com a violência doméstica. No Líbano, não existe punição para o marido que forçar a mulher a fazer sexo com ele.
Vítimas de agressões fotografaram o que representava o sofrimento
As fotografias foram resultado de um trabalho da ativista Dália Khamissy com dez mulheres que eram vítimas de violência extrema dentro de casa. Escondidas dos maridos, elas fotografaram aquilo que representava o sofrimento delas.
“Uma era casada com um ex-soldado, que usava nela e nos filhos os mesmos instrumentos de tortura que usava na guerra”, conta a fotógrafa e ativista Dália Khamissy.
A foto que mais impressionou Dália, foi a de um chuveiro. Depois de ser violentada pelo marido, a mulher desmaiava, e era arrastada até o chuveiro. Quando acordava, apanhava mais.
“Se um marido descobre que a mulher está tendo um caso, ele tem direito de matá-la. Mas se ela descobre que ele está tendo um caso e mata o marido, ela é condenada à prisão perpetua ou morte por enforcamento”, conta Tania Saleh, cantora.
Mulher perdeu virgindade após ser abusada por dois homens
Aisha não mostra o rosto porque tem vergonha. Foi abusada sexualmente por um amigo do pai e por estranhos.
“Eu dei talvez cinco, ou seis goles da bebida que me ofereceram e apaguei. Não lembro de nada. Acordei no dia seguinte, nua, com os dois homens do meu lado, também nus. Então eu descobri que tinha perdido a virgindade”, lembra Aisha.
Anos depois, Aisha foi atacada na saída do banheiro de um restaurante.
“Quanto mais eu gritava, mais ele me batia”, conta Aisha.
No fim, o estuprador ainda se sentiu no direito de dar uma lição de moral na vítima.
“Ele disse que se eu fosse irmã dele ele teria me matado, porque eu estava fora de casa àquela hora da noite”, diz Aisha.
Aisha não foi à polícia porque teve medo.
Vítimas de estupro podem ser presas por adultério
Na Arábia Saudita, nos Emirados Árabes e no Sudão, vítimas de estupro que procuram a polícia podem ser presas, por adultério.
E, no Egito, dados da ONU mostram que desde a queda do ditador Hosni Mubarak em 2011, mais de 90% das mulheres foram expostas a algum tipo de assédio sexual.
Brasileira conviveu por dois anos com rotina de agressões no Líbano
A brasileira Sheila tem duas filhas com um libanês. Depois de dois anos vivendo em uma rotina de agressões no Líbano, voltou ao Brasil e se separou do marido.
“Quando você não sofre violência do seu marido, quem te agride fisicamente são cunhados, são primos, são outras pessoas da família que têm a liberdade de te corrigir”, explica a professora Sheila Ali Ghazzaoui.
Consulado brasileiro alerta mulheres brasileiras que pensam em se casar no Líbano
Problemas como esse têm sido tão frequentes, e graves, que o Consulado do Brasil em Beirute resolveu fazer uma cartilha, um alerta para as mulheres brasileiras que pensam em se casar com libaneses e se submeter às leis extremamente patriarcais do Líbano.
“É saber exatamente onde vai pisar. As diferenças culturais, as diferentes jurídicas. Se tem violência doméstica, com agressão física ou não”, conta o cônsul-geral adjunto em Beirute Luiz Eduardo Pedroso.
Com um simples telefonema às autoridades de imigração, o marido pode impedir a mulher de deixar o país. E frequentemente o consulado recebe brasileiras pedindo ajuda para voltar para casa.
“Se o marido não botou o nome no aeroporto, há uma maneira de tirá-la daqui, mas tem que ser feito de forma discreta, etc e tal. Se ficar jogando aos quatro ventos o marido fica sabendo, no dia seguinte põe o nome, e ela não sai”, explica Luiz Eduardo Pedroso.
Cônsul do Líbano em SP diz que país não trata mulheres de forma diferente
O cônsul-geral do Líbano em São Paulo diz que o país não trata as mulheres de forma diferente de outros países.
“Nós temos casos de violência doméstica, e até mesmo de estupros dentro e fora das famílias, mas não é nada alarmante. Neste ano, foi aprovada uma nova lei que protege as mulheres contra a violência doméstica que nós estamos implementando”, afirma cônsul-geral do Líbano em São Paulo Kabalan Frangie.
Libanesas se cansaram de ficar em silêncio
Mas as libanesas se cansaram de ficar em silêncio. Recentemente, mais de cinco mil mulheres, apoiadas por algumas centenas de homens, fizeram uma corrida pelas ruas de Beirute para reclamar mais espaço na sociedade.
E entre as corredoras-ativistas, a deputada que resolveu fazer da luta pelos direitos da mulher uma bandeira para concorrer à presidência do Líbano.
“Ainda vivemos em uma sociedade que tem uma mentalidade patriarcal, feudal e machista, com muita discriminação”, afirma a deputada Nadine Moussa.
Nadine lembra que ela é uma das quatro mulheres entre 124 homens no parlamento.
“Mulheres ainda não são levadas a sério nesse país”, diz a deputada.
Deputada promete insistir na luta pelos direitos da mulher no Líbano
Mas Nadine promete insistir nas próximas eleições. Aisha fala dos abusos sempre que pode, para expulsar o fantasma. Naíma dança com orgulho. E as ativistas correm contra as leis, contra o machismo e contra o tempo, fazendo o possível para chegar logo ao século XXI. (De Globo.com/Fantástico)

domingo, 29 de junho de 2014

ROUBOS POR DP NA CAPITAL PAULISTA


LIGUE 180


VIOLÊNCIA DOMÉSTICA


CRIMES E VIOLÊNCIA NO BRASIL


A MAGIA DA BELEZA NO ABCD DE SÃO PAULO


PRECONCEITO


VULNERABILIDADE SOCIAL

VULNERABILIDADE SOCIAL


Autor: DANIEL DE AQUINO XIMENES

Vulnerabilidade social é um conceito multidimensional que se refere à condição de indivíduos ou grupos em situação de fragilidade, que os tornam expostos a riscos e a níveis significativos de desagregação social. Relaciona-se ao resultado de qualquer processo acentuado de exclusão, discriminação ou enfraquecimento de indivíduos ou grupos, provocado por fatores, tais como pobreza, crises econômicas, nível educacional deficiente, localização geográfica precária e baixos níveis de capital social, humano, ou cultural (sobre o conceito de capital, ver BOURDIEU, 1987; 1989; 1990), dentre outros, que gera fragilidade dos atores no meio social.
Vulnerabilidade social refere-se ao impacto resultante da configuração de estruturas e instituições econômico-sociais sobre comunidades, famílias e pessoas em distintas dimensões da vida social. Crises econômicas, debilidade dos sistemas de seguridade e de proteção social e fenômenos de precariedade e instabilidade laboral intensificam a dificuldade enfrentada por indivíduos e grupos em sua inserção nas estruturas sociais e econômicas, gerando uma zona instável entre integração e exclusão.
Vulnerabilidade social traduz-se na dificuldade no acesso à estrutura de oportunidades sociais, econômicas e culturais que provêm do Estado, do mercado e da sociedade, resultando em debilidades ou desvantagens para o desempenho e mobilidade social dos atores. As desvantagens com respeito às estruturas de oportunidades resultam em um aumento das situações de desproteção e insegurança, o que põe em relevo os problemas de exclusão e marginalidade. (KAZTMAN, 2001)
  A vulnerabilidade social tem dois componentes principais (PIZARRO, 2001). Primeiro, a insegurança e incerteza das comunidades, famílias e indivíduos em suas condições de vida em consequência de alguma significativa instabilidade de natureza econômico-social. Segundo, os recursos e estratégias que utilizam as famílias e indivíduos para enfrentar os efeitos dessa instabilidade de natureza econômico-social são insuficientes. Os recursos mobilizáveis para enfrentar situações de risco devem ser analisados no contexto dos padrões de mobilidade e integração social que definem as estruturas de oportunidades em cada momento na sociedade. Dentre estes recursos mobilizáveis, ressalta-se o de capital humano, com destaque para as qualificações educacionais de indivíduos e grupos sociais.
Fragilidades na escolarização são um dos fatores que reforçam o quadro de vulnerabilidade social de indivíduos e grupos, em especial no que se refere ao fluxo escolar (trata-se da análise do comportamento da progressão dos alunos pertencentes a uma coorte, em determinado nível de ensino seriado, em relação à sua condição de promovido, repetente ou evadido) (BRASIL, 2010).  Relevante também para a análise da vulnerabilidade social de indivíduos e grupos no campo educacional as taxas de distorção idade-série (inadequação entre a série e a idade do aluno) e as taxas de distorção idade-conclusão (percentual de alunos que concluem o nível de ensino com idade superior à recomendada) (BRASIL, 2010).
As fragilidades na escolarização, na perspectiva do entendimento ampliado e multidimensional do conceito de vulnerabilidade social, relacionam-se com as dimensões econômicas e sociais de maneira indissociável. Portanto, vulnerabilidade social relaciona-se com múltiplas dimensões que precisam ser tratadas em um contexto ampliado, com ênfase principalmente para os fatores de renda, caracterizando situações de pobreza, mas também considerando outras questões centrais, como escolaridade, ciclo de vida familiar e o escopo das relações sociais dos indivíduos.

BIBLIOGRAFIA:

BOURDIEU, P. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 1987.
BOURDIEU, P. Coisas ditas. São Paulo: Brasiliense, 1990.
BOURDIEU, P. Poder simbólico. Lisboa: Bertrand, 1989.
BRASIL. Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais.Glossário de termos, variáveis e indicadores educacionais. Disponível em: <http://www. edudatabrasil.inep.gov.br>.  Acesso em: 16 maio 2010.
KAZTMAN, R.Seducidos y abandonados: el aislamiento social de los pobres urbanos.Revista de la CEPAL, Santiago do Chile, n.75, p.171-189. dec. 2001.
PIZARRO, R. La vulnerabilidad social y sus desafíos: una mirada desde América Latina. Santiago de Chile: CEPAL, 2001. (Serie Estudios Estadísticos y Prospectivos, n.6).

BOM DOMINGO A TODAS AS MULHERES DO BRASIL !


FORMULÁRIO DE CONTATO / PROGRAMA MULHERES EM RISCO


ADICIONE NOSSO PROGRAMA AOS SEUS FAVORITOS


CAMPANHA DE ANUNCIANTES BRADO MULHER


PARCEIROS, PATROCINADORES E INVESTIDORES


BRADO ASSOCIADOS / SÃO PAULO


LATINO AMÉRICA EDUCACIONAL


LOGUS WEBMARKETING / SP GESTÃO DE CONTEÚDO


EDUCAÇÃO E INFORMAÇÃO SÃO ARMAS DE DEFESA DA MULHER


GRIPE X PNEUMONIA


EXTREME TOURS BRASIL / SÃO PAULO APOIA NOSSO PROGRAMA


VIDA SEM VIOLÊNCIA


LEI MARIA DA PENHA


PATRULHA MARIA DA PENHA


STOP


PROGRAMA MULHERES EM RISCO - EM BREVE NA INTERNET


QUEBRE O SILÊNCIO


VIZINHANÇA SOLIDÁRIA


sábado, 28 de junho de 2014

LAETA HAIR FASHION APOIA O PROGRAMA MULHERES EM RISCO / BRADO



BRASIL COM MUITO ORGULHO E COM MUITO AMOR !


JUNTOS CONTRA A HOMOFOBIA


ÚTERO


NÃO SE CALE !


ROUBOS NA CIDADE DE SÃO PAULO


COPA 2014


PÍLULA DO DIA SEGUINTE


TODOS PELO BRASIL !


sexta-feira, 27 de junho de 2014

DIREITOS DA MULHER


DICAS DE SAÚDE


PREVENÇÃO A AIDS


ESPÍRITO LUTADOR DA MULHER BRASILEIRA


SAÚDE DA MULHER


PRINCIPAIS CAUSAS DE MORTE DAS MULHERES BRASILEIRAS

Principais causas de morte das mulheres brasileiras. 


Pesquisadores da Faculdade de Saúde Pública (FSP), da USP, estão divulgando o Estudo da Mortalidade de Mulheres de 10 a 49 anos no Brasil. O trabalho mostra as causas de óbitos nesse grupo etário para comparar números com registros oficiais e conhecer a mortalidade materna. Com dados mais precisos, é possível estimar um fator de correção para números do Sistema de Informação de Mortalidade Materna (SIM), do Ministério da Saúde, que tem 8% de mortes maldefinidas e subdeclaração de óbitos ligados à gravidez, parto e puerpério (período pós-parto). Inédita no Brasil, a pesquisa foi mostrada também na Alemanha pelo professor da FSP/USP Ruy Laurenti, em reunião da Organização Mundial da Saúde (OMS). Além dele, participaram como coordenadores Maria Helena Prado de Mello Jorge e Sabina Gottlieb, ambas também da FSP/USP, e outros pesquisadores nas capitais.

Aparelho circulatório
Eles trabalharam com dados de todas as capitais brasileiras. Detectaram que 8,3% das mortes de mulheres nesta faixa de idade ocorreram em menores de 20 anos. Na Região Norte, a proporção foi de 13,7% e na Sudoeste, cerca de 7%. As principais causas de morte nas mulheres foram câncer (24,4%), doenças do aparelho circulatório (19,6%), causas externas (15,4%), doenças infecciosas e parasitárias (12,4%) e moléstias endócrinas, nutricionais e do metabolismo (4,7%). Entre as infecciosas, a aids foi a principal, com 61,2%. A pesquisa revelou também que 40% das que faleceram fumavam, 51% consumiam bebida alcoólica e 12% usavam drogas.
Nas doenças do aparelho circulatório, a pesquisa indicou que as proporções foram crescentes com aumento das idades. Moléstias cerebrovasculares predominaram em todas a regiões do País, correspondendo ao dobro das causas isquêmicas (referente à irrigação sangüínea).

Acidentes e violência
As neoplasias (tumores) foram as principais causas de mortes de mulheres nas capitais brasileiras, com 24,5%, concentrando-se nas idades de 40 anos a mais (60,2%). As variações foram significativas entre as Regiões Norte (48,7%) e Sul, com 70%. Também na Norte, houve maior mortalidade por câncer de útero em relação ao de mama. No Sudeste, esta última doença predominou, com 26,9%.
Acidentes e violência corresponderam a 15,4% dos óbitos. No Norte, 12%, e Centro-Oeste (18,9%). Em 57,3% das ocorrências, a mulher tinha menos de 30 anos. Nordeste e Sudeste destacaram-se neste tipo de óbito, e em todas as capitais o total ficou em 39,3%. Em 44,6% dos casos, as mortes ocorreram entre 15 e 24 anos.
O índice de mortes por acidentes de transporte ficou em 28,1%, destacando as Regiões Norte, Sul e Centro-Oeste. Entre os suicídios, o estudo mostrou que o mais praticado foi por ingestão de carbonatos, presentes em venenos para ratos. A depressão, em muitos casos, esteve associada ao ato de tirar a própria vida.

Marcellus Janes Assessoria de Comunicação da FSP
Da Agência Imprensa Oficial




QUEM CALA CONSENTE !


MARIA DA LEI


VERGONHA E MEDO